sexta-feira, janeiro 5

f(x): contínuo, se x=Natal => F(x) -> +oo

If you try to live the Christmas spirit as a Birthday party from the time when you were kids, you would like extend this time for all over the year so that you can stay some time in this peaceful ambient with all the friends that you would like to have by your side. This is simple way to keep them inside your heart and don't lose them.
Quando éramos pequenos e íamos a uma festa de aniversário de um dos nossos amigos (pelo menos acontecia-me comigo) temos tanta oportunidade de brincar mais intensamente com todos os que partilham essa alegria da festa na razão inversamente proporcional ao número de amigos presentes nessa festa. Se fossem poucos, era possível estar com todos quase ao mesmo tempo. Se fossem muitos, ou estávamos com alguns, ou se estivéssemos com todos seria sempre superficialmente. Ora, neste caso, na Festa de Anos de Jesus, seria... é, certamente difícil, podermos "estar" (ou "brincar", se fossemos miúdos)... um estar de partilha próxima, um estar efectivo, com todos esses que partilham essa amizade por Ele e por nós. Conseguimos estar com alguns mas com todos é mesmo impossível. Mas fica sempre o desejo de partilhar de uma forma mais próxima (não de um "Olá! Tá tudo bem?...") mas de uma forma mais atenciosa de vidas realmente partilhadas, esta alegria da festa, com todos esses que, mais perto ou mais longe, se tornam presentes em espírito de amor que nos une e a vivem também. Daí, então, este sentido de festa contínua para o Natal. Daí o fazer sentido que se dê continuidade a este espírito para que a alegria e a necessidade desse encontro se prolongue ao longo do ano...
Esta atitude pode-nos ajudar a saber conservar as amizades que temos, sejam elas de que ordem for... mais superficiais, mais distantes, mais confidentes, mais íntimas,... Este prolongamento de um Natal partilhado pode trazer o que precisamos e levar o que os outros precisam não só nesta altura mas sempre. Este Natal continuado, pode-nos abrir as portas do coração para uma vivência mais genuína do Natal... o de Dezembro... junto das fogueiras dos pastores, junto da cabana, ou mesmo nas nuvens com os sons dos sinos e dos anjos...
Trazer os nossos amigos de volta para a nossa vida em cada dia, é tomar parte activa neste projecto de humanidade desenhado, minuciosamente, para nós.
Há tanto a descobrir naqueles que nos rodeiam... não precisamos de esperar pelo Natal para o fazer só porque é dado toda a gente se dar bem nesta quadra. No Natal, os problemas não deixam de existir... depois do Natal eles não aparecem porque não era possível antes por ser Natal... Não é por as pessoas estarem de férias que não precisam de falar... nem depois de voltarem ao trabalho e à escola lhes dá uma necessidade súbita de o fazer... A vida é um processo contínuo e, também por isso, Ele nasceu e nasce, agora, continuamente... Porque não havemos de celebrar o Natal no dia 25 de cada mês???... Ou à meia-noite de cada dia???... ... Podia ser um desafio... Por exemplo, todos os dias, antes de ir para a cama, cantar o Noite Feliz :) Havia de ser giro... E era certamente uma forma diferente de VIVer o espírito e de o projectar no infinito do VIVer... :)

2 Comments:

Blogger xana said...

"Quem nasceu uma vez em Maria, nasce em nós todo dia."
(São Jerônimo)

Obrigada pela reflexão, emlino!

09 janeiro, 2007 22:51  
Blogger emlino said...

O encontro diário com a Mãe é sempre um voltar à nossa infância e reviver essa procura de assitência, esse colo de conforto e de abrigo para a
nossa fragilidade pessoal. Nela renascemos e reencontramos a Força que VIV em nós.

17 janeiro, 2007 14:55  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home