terça-feira, janeiro 23

Ensaio ao Design (III) o design françês

In my opinion, French design has its focus on detailing forms. Somewhere between the functionalism perfectionist of the North and Near East Europe, the Real Classicism of the rival kingdom and the hot passionate lines of the South and West Europe Latin design, we can find a way of thinking the object as a good interpretation of these mixed concepts. The design born in France, it isn't a simple join of characteristics, but, in fact, much more than that, it's a loving vision of the relation that we establish with the object. The elegance is the finest attribute that we can find and the attraction takes us to a durable relation. The details do find in our nature the common characteristics of our being and so identify ourselves.
Como disse, no post anterior, o design francês, caracteriza-se muito por uma atenção muito grande ao desenho dos pormenores técnicos. Isto leva a que toda a forma viva essencialmente dessas várias contribuições.
Se, no design do Norte da Europa e Europa Oriental (Alemanha, Áustria...) há um focalizar da atenção na funcionalidade do objecto à qual, a sua forma, vai beber, desprovendo-o de todo o mais que não seja essencial (muito designado de design frio, isto é, não apelando às emoções do utilizador mas cumprindo exclusivamente, sem grande interferência em tudo o mais, o papel a que se destina) e no Sul e Europa Ocidental (sobretudo Itália e Espanha) se apela muito mais à forma no seu todo relegando para segundo plano a funcionalidade, o design Françês, ficando no meio destas duas influências opostas, não só acaba por ser influenciada pelas duas mas, nessa influência, encontra uma interpretação muito própria. O design francês aposta em trabalhar os pequenos detalhes da forma, conferindo, quase sempre um estilo vanguardista, mesmo quando usa referências do passado. Esta preocupação vem, também, sublinhar uma necessidade de evidência face aos seus grandes rivais (a Inglaterra e a Alemanha), evidência essa, conquistada com base em inovações tecnológicas na utilização dos seus produtos. A escola artística francesa tem, também, uma componente extremamente vincada para a elegância das formas delineada, mais uma vez, muito mais do que no todo, nos detalhes, nos pequenos preciosismos que a acompanham. A moda é, talvez, uma das fontes mais influenciadoras deste conceito pormenorista do design francês. Existem números de exemplos e marcas que evidenciam esta linhagem da elegância, uma elegância com gosto aproximando-se do estilismo transalpino e fugindo do classissismo real exuberante inglês. Na terra do amor, percebe-se o sentido desta qualidade intrínseca do design, pois ela é, ao mesmo tempo, causa e efeito dessa ligação não efémera às coisas, de uma atracção duradoira, de um amor realmente vivido e experienciado pelo contacto com os objectos ao redor. Num outro extremo, o design funcionalista que deixava a ligação ao objecto reduzida à sua própria necessidade e existência e no outro extremo, o desassossego das formas latinas que levavam a ligação ao objecto ao efémero de uma paixão. O design francês mantém-nos ligados ao nosso interior, àquilo que de facto somos, realçando também os pormenores da nossa personalidade... diz-nos muito do que somos...

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger gota de chuva said...

Muita sensibilidade pelas formas...
É depois de ler este post que o anterior encontra todo o seu sentido.
Uma lição para quem um dia concorreu a "Design do produto".

24 janeiro, 2007 19:18  
Blogger emlino said...

Neste caso, será mais uma sensibilidade para os pormenores, para os traço dos detalhes que faz a diferença... As curvas... não tanto para serem apreciadas... são mais para serem VIVidas, de uma 'forma' divertida mas responsável... eu gosto mesmo muito de as fazer... sobretudo se não tiver camiões à frente :) Lá para os lados do Douro tem umas verdadeiramente delirantes.

29 janeiro, 2007 17:16  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home