terça-feira, abril 18

Persistência

"A razão por que vivemos era para estarmos juntos, para expressarmos amor. Não tínhamos acabado! É como escrever um livro e desistir a meio de uma palavra no capítulo dezassete de um livro de vinte e quatro capítulos. Não nos podemos limitar a desistir e acreditar que é o fim! Podemos deixar que esse livro seja publicado, uma coisa inútil, sem fim?"
Bach, Richard - in "UM"

In this passover time, the word 'persistence' it's the one that shines from over the other qualities that we can think of. That kind of persistence that doesn't leave the things unfinished, uncompleted... The persistence takes us above all the things that we see as unreachable and guide us through the beauties of life feeling ourselves alive. Through persistence we can dye and reborn again, falling in a sweetness asleep and wake up full of energy. Within the persistence we can talk about freedom and feel that the love is not a superficial state of look but a way of live that rises every moment from and to the center of our soul.
Hoje, quando falamos de persistência, falamos de uma qualidade que maioritariamente existe pouco à nossa volta. Já nem sequer ligamos a ela aquele sinal de teimosia cega que os 'naturalmente persistentes' por vezes reflectem. Ainda bem que passámos a ter esta visão optimista desta qualidade do agir, do acreditar e de tantas outras formas de viver que nos moldam o ser.
Nesta passagem temporal, tão vivida por uns e tão desprezada por outros, penso que a palavra que brilha de sobre forma neste emaranhado de atitudes e pensamentos vividos é a persistência. Esta persistência de não deixar as coisas pela metade... de não nos contentarmos com o copo meio vazio ou meio cheio... de sermos capazes de construir um fim e não nos deixarmos ficar com o facilitismo dos finais dramo-trágicos ou do "casaram e foram muito felizes".
A persistência eleva-nos para algo maior, para algo que jamais alcançaríamos sem esta motivação, sem a animosidade do persistir. Eleva-nos para a vida, para o seu sabor, para o seu cheiro, para a sua cor, para os sons que despertam em nós o toque sensitivo de estar vivo.
Pela persistência somos alcançar o inalcansável e ao mesmo tempo estar continuamente a recomeçar, a nascer para uma nova vida, a acender de novo as tochas do nosso caminho, a acordarmos com os raios da manhã, a sonhar com o calmo e majestoso entardecer.
A persistência conduz-nos pela busca incessante da liberdade, alimenta-nos com a leveza do rumo do vento em contínua partida e chegada.
Não seremos capazes de ter uma vida sustentada sem passar pela construção sólida de um amor que persiste, que está disposto a tudo, que sobrevoa a mundaneidade das coisas, da existência física, para se elevar em todo esplendor num amor maior, radiante, que está e em nós VIV.
"Mas é preciso morrer e nascer de novo
semear no pó e voltar a colher
há que ser trigo, depois ser restolho
há que penar para aprender a viver
e a vida não é existir sem mais nada
a vida não é dia sim, dia não
é feita em cada entrega alucinada
prá receber daquilo que aumenta o coração"
Mafalda Veiga
RESTOLHO
álbum: "Pássaros do Sul"

2 Comments:

Blogger maestro said...

Gostei muito do teu Blog. Hoje na nossa sociedade faltam valores essenciais para o crescimento humano. A precistências é um deles.falta garra no fazer as coisas. resumindo: falta amor naquilo que fazemos.
um abraço

19 abril, 2006 12:27  
Blogger emlino said...

Obrigado.
É isso, devia existir mais amor na persistência e persistência no amor... teríamos mais gosto em persistir e em amar.

19 abril, 2006 16:59  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home